Desafios diários

TERCEIRO DESAFIO: Se livre dos preconceitos

Heeeellooo meu povo! Como vão as coisas por ai?

Preparados para o desafio de hoje?

Alguém aí já sofreu com preconceito?

Eu já fui julgada tantas vezes que pensei que nada mais fosse me abalar, e veja bem, me surpreendi!

Incrível como sempre tem seres humanos que conseguem superar nossas expectativas… negativamente, neste caso.

Já sofri por: Inúmeras vezes fui a excluída na escola por ser a estranha, gordinha de cabelo cacheadinhos, outras vezes por ser a filha de pais separados, ou ainda excluída dos roles, pois eu sempre estava trabalhando com minha mãe no comercio. E, a mais recente, e talvez mais criticada até o atual momento, por não seguir a carreira a qual eu tenho diploma e vender batom.

E assim por diante… bem patético, não acha? Mas, muitas pessoas as quais passam por situações similares, muitas vezes bem piores, são vitimas de homicídios, depressão, bloqueios emocionais, entre outras coisas, que muitas vezes, as pessoas não despejam a atenção necessária e acham que são “frescurites”. Bem, tomem cuidado, isso é muito sério!

 

Vou contar uma ‘histórinha’ para vocês:

Bom, como muitos sabem, eu sou formada em direito, mas não estou atuando como advogada, sou hoje uma consultora de beleza independente, ou, como muitos preferem falar, sou vendedora de batons. Acontece que, independentemente o que eu faça, continuo sendo uma pessoa como qualquer outra e mereço respeito, confere? Ah, tá, obrigada!

Bom, esclarecido isso… seguimos: certo dia, uma mulher me chamou no whatsapp, e pediu que fosse entregue URGENTEMENTE um determinado produto, me perguntou se eu tinha a pronta entrega, perguntou valores e então solicitou que eu fosse até ela entregar com a devida urgência. Eu prontamente respondi que sim, teria o produto para a mesma e que levaria logo após o almoço.

E assim eu fiz.

Meio dia, cheguei ao local combinado, que ao chegar pude perceber que era uma loja de alta classe.

Eu então me dirigi até a porta da loja, a porta e toda a loja era de vidro, impecavelmente limpo e transparente, ou seja, eu estava vendo claramente e senhorita que me solicitou a entrega dentro da loja, a porta de entrada estava trancada.

Bom, a mulher estava sentada, muito próximo a porta e ao telefone. Em respeito eu apenas acenei com a mão e ela fingiu não me ver, quando a recepcionista tentou vir abrir a porta, esta mesma moça a impediu sinalizando que ela mesma atenderia.

A moça largou o celular, veio em direção a porta abriu apenas uma pequena parte da porta, me olhou de cabeça aos pés com ar de desprezo e perguntou se poderia me ajudar. Expliquei que eu seria a consultora de beleza que estaria levando o produto que ela solicitara, para minha surpresa ela me olhou mais uma vez de cabeça aos pés e disse que não queria mais o produto, que não iria se sujeitar a comprar de mim.

Ela deixou a porta aberta e foi caminhando para dentro da loja, eu sem jeito acabei entrando.

Ela parou me olhou mais uma vez e perguntou: “Seu produto é bom, pois a julgar pela sua cara, não parece ser”.

Eu estava me sentindo tão humilhada, foi então quando a recepcionista da loja, acho que estava sentindo tão mal quando eu e tentou mudar de assunto me mostrando algumas roupas da loja, mas a “Senhorita educação” logo interrompeu: “Não consegue ver que ela não tem qualquer condições de adquirir nossas peças?”

Parecia tão irritada que foi até a porta e fazendo sinal de que eu deveria sair, e ainda concluiu: “quando tivermos alguma promoção, quem sabe ela consiga comprar”.

Eu sai deste lugar tão horrorizada, que não conseguia chorar, mas, também, não conseguia levantar a cabeça, isso tudo acho que foi em menos de 10 minutos, porem, foram os piores 10 minutos da vida.

Fiquei o resto do dia refletindo sobre isso, e passei dias pensando e me entristecendo com isso.

Mas, o que mais me deixava triste era saber quantas pessoas hoje sofrem com isso, com a humilhação, com o preconceito de pessoas vazias.

E me fez refletir como eu estou tratando as pessoas em minha volta? Sempre tento ser minha melhor versão, mas depois disso, minha vontade de fazer com que as pessoas se sintam bem, só aumentou. Pois, não é humano fazer alguém sentir assim.

Então este será o nosso desafio de hoje para sempre: fazer as pessoas se sentir importantes, livres de qualquer preconceito, combinado?

Hoje você vai escolher uma pessoa e vai fazer algo por ela.

Se você possui algum pequeno ou grande, preconceito dentro do seu coração hoje é com ele que você deve tratar. O que você acha?

Vamos nos unir para fazer o bem para outras pessoas, e a cada pessoa que cruzar nosso caminho vamos fazer com que ela se sinta única! Pode ser?

Dê uma flor do jardim, convide alguém para um café, faça um bolo para alguém especial, … elogie mais, critique menos!

Aceita o desafio?

Mesmo que você acredite ser alguém sem preconceitos, escolha uma pessoa e a faça se sentir especial.

Não esquece que compartilhar seus desafios conosco #desafiodatai

Beijinhos da Tai ❤

1 Comment

  1. Kauana Maurer

    É incrível como ler isso logo pela manhã, abre nossa mente.
    Meu amor, você é incrível e por mais que seja difícil não deixe de abalar.
    Você faz a diferença vendendo batons hahahah
    Desafio aceito!
    Boraaaaa “fazer o bem, sem olhar a quem!” ❤?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.